Câmara Municipal de Montemor-o-Novo

Localização estrutural dos conteúdos:
Localidade:
Montemor-o-Novo
Entidade detentora:
Arquivo Municipal de Montemor-o-Novo
História custodial e arquivística:

A documentação do fundo da Câmara de Montemor-o-Novo encontra-se depositada no Arquivo Municipal da referida localidade.
Para conhecimento da documentação que se encontra no Arquivo Histórico Municipal de Montemor-o-Novo consulte-se: FONSECA, Jorge, Arquivo Histórico Municipal de Montemor-o-Novo: Inventário, Montemor-o-Novo, Câmara Municipal, 1996.

Conteúdos do fundo:
Não existem itens a listar.
Informação contida em outros fundos:
  • Fundo:
    Mosteiro de São Bento de Cástris de Évora
    Datas de produção/acumulação:
    1405/11/24
    Tipologia documental:
    Instrumento de Posse
    Nível:
    Documento simples

    Dando cumprimento a uma sentença, o mosteiro de São Bento de Cástris de Évora, toma posse da herdade de Almoxaretim, localizada no termo de Montemor-o-Novo.

  • Fundo:
    Mosteiro de São Bento de Cástris de Évora
    Datas de produção/acumulação:
    1405/11/26
    Tipologia documental:
    Outro
    Nível:
    Documento simples

    O pregoeiro do concelho de Montemor-o-Novo, por autoridade das freiras do mosteiro de São Bento de Cástris de Évora, põe a herdade de Almoxeratim em pregão.

  • Fundo:
    Mosteiro de São Bento de Cástris de Évora
    Datas de produção/acumulação:
    1512/06/20
    Tipologia documental:
    Trespasse e emprazamento
    Nível:
    Documento simples

    Rui de Babo, tutor de Filipe, seu sobrinho e moço orfão, vendera umas casas do mesmo a Pedro Álvares Barcelos, morador em Montemor-o-Novo, por forras e isentas. Mas destas se devia pagar de foro cinquenta reais, no dia de Natal, ao mosteiro de São Bento de Cástris de Évora, representado neste acto pelo seu procurador, Álvaro Domingues. Assim, Rui de Babo dispõe-se a pagar o mesmo foro a partir de outro bem do órfão: uma vinha com oliveiras e figueiras e um pomarzinho de sequeiro, no Ribeiro de Valverde, em Montemor-o-Novo, considerando-se Filipe a primeira das três pessoas em que se fazia o emprazamento.

  • Fundo:
    Mosteiro de São Bento de Cástris de Évora
    Datas de produção/acumulação:
    1512/06/20
    Tipologia documental:
    Trespasse e emprazamento
    Nível:
    Documento simples

    Rui de Babo, tutor de Filipe, seu sobrinho e moço orfão, vendera umas casas do mesmo a Pedro Álvares Barcelos, morador em Montemor-o-Novo, por forras e isentas. Mas destas se devia pagar de foro cinquenta reais, no dia de Natal, ao mosteiro de São Bento de Cástris de Évora, representado neste acto pelo seu procurador, Álvaro Domingues. Assim, Rui de Babo dispõe-se a pagar o mesmo foro a partir de outro bem do órfão: uma vinha com oliveiras e figueiras e um pomarzinho de sequeiro, no Ribeiro de Valverde, em Montemor-o-Novo, considerando-se Filipe a primeira das três pessoas em que se fazia o emprazamento.

  • Fundo:
    Mosteiro de São Bento de Cástris de Évora
    Datas de produção/acumulação:
    1340/09/25
    Tipologia documental:
    Sentença
    Nível:
    Documento simples

    Sentença dirimida por Fernando Esteves, juiz de Montemor-o-Novo em lugar de Geraldo Afonso, relativa a um processo entre Domingas Tomé, vizinha e moradora na referida localidade, e Constança Vasques, barregã de Gonçalo Afeira, estando em questão a venda de metade dos engenhos que foram de Estêvão Malhado.

  • Fundo:
    Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    1460/01/03
    Tipologia documental:
    Compra/venda
    Nível:
    Documento simples

    Saym Lube e Mira, sua mulher, judeus, vendem a Fabibe Franquo, ferreiro, e a sua mulher, Aveziboa, moradores na vila, umas casa com seu quintal na judiaria, que eram foreiras à igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo, por três mil reais. O foro eram vinte reais brancos pagos pelo Natal.

    Para maior firmeza da venda as partes foram perante o juiz ordinário da vila, Gomes Martins Lobo, cavaleiro, e Fabibe Franquo mostrou uma carta de D. Afonso V em que o autorizava a comprar bens aos cristãos dos seus reinos e senhorios, sendo os contratos outorgados pelo juiz do lugar para que o fizesse jurar não haver no negócio qualquer conluio ou usura. O judeo jurou na sua lei.

  • Fundo:
    Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    1433/06/21
    Tipologia documental:
    Aforamento
    Nível:
    Documento simples

    Traslado de um aforamento feito pela igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo a Afonso Airas, lavrador e a sua mulher, Margariada Anes, moradores em Montemor, da terça dos moinhos e engenhos do boeiro na Ribeira de Canha, que ficaram por morte de João Reimondez, pai de Margarida Anes. Aforavam também a terça dos moinhos e engenhos que ficara por morte de Pai Lourenço Zacheiro.

    Traslado feito a pedido de Lourenço Domingues, prior de Monsanto e raçoeiro de Santa Maria do Bispo, ao juiz ordinário da vila, João Rodrigues de Morais.

    O documento foi apreesentado no acto por Airas Esteves Reimondo, lavrador, também morador na vila.

  • Fundo:
    Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    1524/06/07
    Tipologia documental:
    Emprazamento
    Nível:
    Documento simples

    Emprazamento que fazem os clérigo e beneficiados de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo, de um ferragial com oliveiras, situado na vila, a André Carvalho, raçoeiro, por oitenta reais. O ferragial estivera emprazado a João Fernandes, clérigo de missa, quartanário na Sé de Lisboa, que era a primeira pessoa, mas aquele falecera há mais de um ano sem nomear a segunda e o ferragial ficara devoluto. Fora agora colocado em pregão pelo porteiro da vila para ser emprazado a quem mais desse.
    O contrato é feito na igreja do Hospital porque a igreja de Santa Maria do Bispo estava caída e a ser reconstruída de novo.

  • Fundo:
    Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    1471/07/06
    Tipologia documental:
    Emprazamento
    Nível:
    Documento simples

    Emprazamento, em três vidas, de uma vinha, da igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo, localizada no termo da vila, na Reinalda, a Maria Dias, criada de Luís Dias, porteiro do Concelho, por cem reais, pagos pelo Natal.

  • Fundo:
    Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    1493/10/28
    Tipologia documental:
    Requerimento
    Nível:
    Documento simples

    Mendo Afonso, raçoeiro da igreja de Santa Maria do Bispo e da igreja de Santa Maria da Vila ou dos Açougues, ambas localizadas em Montemor-o-Novo, solicita, a João Mendes de Vasconcelos, juiz ordinário da referida vila, o traslado de um compromisso efectuado, no ano de 1468, entre os herdeiros de Catarina Lourenço e Vasco Anes, relativo à renda de uma horta, pela qual se deviam celebrar determinadas missas na igreja de Santa Maria do Bispo.

  • Fundo:
    Igreja de Santiago de Évora
    Datas de produção/acumulação:
    1363/08/08
    Tipologia documental:
    Sentença
    Nível:
    Documento simples

    Sentença dirimida por João Pires, juiz ordinário de Montemor-o-Novo, relativa a um processo entre Vicente Anes, ovelheiro, e sua mulher, Catarina Esteves, moradores e vizinhos de Évora, e Lopo Domingues, ferrador, morador na mesma localidade, estando em questão a posse de umas casas, localizadas no arrabalde da vila.

  • Fundo:
    Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    1470/02/16
    Tipologia documental:
    Cláusula de Testamento
    Nível:
    Documento simples

    Álvaro Gil, clérigo da igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo, solicita o traslado de uma cláusula do testamento de Gomes Lourenço.
    O testador deixa a seu sobrinho Fernando, filho de Lopo Vasques, as casas onde mora com as suas louças e uma vinha de sesmo, com a condição de o mesmo mandar dizer uma missa oficiada por sua alma.
    Depois da morte do sobrinho, os bens deverão ser entregues à igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo.

  • Fundo:
    Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    1348/11/04
    Tipologia documental:
    Testamento
    Nível:
    Documento simples

    Cláusula do testamento de Catarina Vicente, no qual faz doação, à igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo, metade de umas casas, localizadas na vila, para que os clérigos celebrem um aniversário, por sua alma.

  • Fundo:
    Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    1383/12/29
    Tipologia documental:
    Testamento
    Nível:
    Documento simples

    Cláusula do testamento de Margarida Eanes, viúva, moradora em Montemor-o-Novo, no qual fez doação da renda de umas casas aos clérigos da igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo.

  • Fundo:
    Tabelião: Álvaro Rodrigues / Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    ???/??/20
    Tipologia documental:
    Instrumento de Partilhas
    Nível:
    Documento simples

    Partilhas efectuadas entre Afonso Fernandes [...] e João Afonso, filho de Afonso Vicente de um lado, e Vicente Anes e sua mulher, Catarina Anes, do outro, dos bens que ficaram por morte de João Afonso Ferrete e de Catarina Esteves, pais de Gonçalo, cujo tutor era Vicente Domingues Ferrete. Vicente Anes fora marido de Catarina Esteves. Refere-se no documento que as partilhas são feitas por madado de Gil Martins, juiz em lugar de Airas Gomes, juiz pelo rei na vila.

  • Fundo:
    Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    1392/02/16
    Tipologia documental:
    Cláusula de Testamento
    Nível:
    Documento simples

    Cláusula do testamento de Gomes Eanes, neto de Francisco Pires, marido de Maria Palrreira, que fora redigido em 01 de Janeiro de 1374. Nesta cláusula destina bens para se cantarem aniversários na igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo, a trinta soldos cada aniversário. O registo desta claúsula foi solicitado a Gil Martins, juiz em lugar de Airas Gomes, juiz pelo rei na vila, por Vasco Gil, morador na vila, marido de Leonor Afonso, prima co-irmã do falecido (a quem competia fazer cumprir o testamento). O testamento é apresentado no acto por João Palrreiro, tabelião em Montemor, curador da viúva.

  • Fundo:
    Tabelião: Álvaro Rodrigues / Montemor-o-Novo
    Datas de produção/acumulação:
    Século(s) XIV
    Tipologia documental:
    Sentença
    Nível:
    Documento simples

    Sentença proferida por Giral Pires, juiz ordinário de Montemor-o-Novo, sobre a utilização de caminhos de acesso a uma vinha na sequência de uma demanda entre Lourenço Domingues e Lourenço Domingues, cheira a vinho, de uma parte, e Giral Lourenço, da outra parte.