Câmara Municipal de Vila Viçosa

Localização estrutural dos conteúdos:
Localidade:
Vila Viçosa
Entidade detentora:
Arquivo Histórico Municipal de Vila Viçosa
História custodial e arquivística:

A documentação do fundo da Câmara de Vila Viçosa encontra-se depositada no Arquivo Histórico Municipal da referida localidade.
Para conhecimento da documentação que se encontra no Arquivo Histórico Municipal de Vila Viçosa consulte-se: PESTANA, Manuel Inácio, Arquivos históricos municipais de Vila Viçosa : catálogo, inventário, roteiro, índices, Vila Viçosa, Câmara Municipal, 1990.


Informação contida em outros fundos:
  • Fundo:
    Eremitério da Espadaneira / Estremoz
    Datas de produção/acumulação:
    1493/10/23
    Tipologia documental:
    Requerimento
    Nível:
    Documento simples

    Em presença de Nuno Fonseca, escudeiro, juiz ordinário de Vila Viçosa, compareceu Vasco de Elvas, pobre da Serra de Ossa e regedor do eremitério da Espadaneira, solicitando o traslado de uma carta de D, João II, datada de 30 de Maio de 1482, a confirmar certos privilégios aos diversos eremitérios.

    São nomeadas as seguintes comunidades: Serra de Ossa; Vale de Infantes; Vale Abraão; Vale Bom; Montes Claros; Rio Torto; Fonte Arcada; Santa Margarida do Aivado; Montemuro; Rio Mourinho; Portel; Espadaneira; Junqueira; Vale Formoso.

  • Fundo:
    Mosteiro das Chagas de Vila Viçosa
    Datas de produção/acumulação:
    1507/11/08
    Tipologia documental:
    Compra/venda
    Nível:
    Documento simples

    Venda que faz Inês Gomes Olhal (?), viúva de Fernando Álvares Guisado, moradora em Vila Viçosa, a Teresa Anes, viúva de Martim Correia, que fora escudeiro do duque de Bragança, moradora em Vila Viçosa, de metade de uma herdade em Mures, mística com os irmãos de Fernando Álvares e com um quarto que é da vendedora, por nove mil reais. A venda é feita perante João Fuseiro, escudeiro da casa do duque de Bragança e Guimarães e juiz dos orfãos na vila. A metade da herdade já fora arrematada antes por mestre Álvaro, almoxarife do duque, por quatro mil e quinhentos reais após ter andado em pregão na praça na sequência de uma dívida de Estevão Mendes, siseiro do ano de 1503, de quem Fernando Álvares fora fiador. Porém, como se considerava mal vendida por tão baixa quantia mestre Álvaro abriu dela mão para poder ser vendida a quem dava quantia superior, sendo restituído dos quatro mil e quinhentos reais.
    No processo são referidos Fernão Cavaleiro, escrivão das sisas pelo rei; Aires de Oliveira, almoxarife do almoxarifado de Estremoz; Tomé Fernandes, porteiro do concelho; Luís Leite, ouvidor da correição do duque; e um capelão do duque.

  • Fundo:
    Mosteiro das Chagas de Vila Viçosa
    Datas de produção/acumulação:
    1501/01/20
    Tipologia documental:
    Escambo
    Nível:
    Documento simples

    Escambo entre Leonor Franco, solteira, de uma lado; e Bartolomeu Fernandes e sua mulher, Isabel Franco, irmã da primeira, do outro. Eram todos moradores em Vila Viçosa. A primeira troca com os segundos, com licença do juiz dos orfãos, determinados bens em troca de outros, situados no termo de Vila Viçosa.

  • Fundo:
    Mosteiro das Chagas de Vila Viçosa
    Datas de produção/acumulação:
    1495/12/06
    Tipologia documental:
    Compra/venda
    Nível:
    Documento simples

    Lourenço Rodrigues, genro de Diogo Vaz, e sua mulher, Maria Dias, moradores em Vila Viçosa, vendem a Nuno de Morais e a sua mulher, Isabel Mendes, moradores na mesma vila, umas casas, localizadas na referida localidade, junto à Porta de Évora, por três mil reais.